Massagem Rítmica

Na massagem, a mão do terapeuta é capaz de imitar as formas do movimento da água

Desenvolvida a partir da massagem clássica, a Massagem Rítmica existe desde o começo do século XX. Diferente das demais massagens, baseia-se no conhecimento de todo o corpo humano e nas interações entre os sistemas neuro-sensorial (cabeça), rítmico (tronco) e metabólico-motor (membros).

São dois os pontos centrais da massagem rítmica: a revitalização e a harmonização do corpo. A massagem rítmica é bem suave, com toques de sucção e não de pressão. A mão pulsa como um coração sobre a pele, estimulando o sistema rítmico que promove a saúde em todo o organismo.

Considerada uma terapia integrada à área médica antroposófica, a massagem rítmica é indicada para bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. A restrição é feita somente para pessoas que apresentem febre ou processos infecciosos e inflamatórios, pois os movimentos na pele podem estimulá-los.

O ritmo desta massagem procura harmonizar os processos de decomposição (catabólicos) e de formação de substâncias corpóreas (anabólicos). Na massagem, a mão do terapeuta executa toques circulares, fazendo fluir os líquidos, oxigenando e aquecendo todo o organismo. Ritmos como a mudança de estações do ano, acordar e adormecer, inspirar e expirar são como o ritmo de ligar e soltar da massagem.

A massagem rítmica pode ser aplicada a uma ampla gama de doenças e de dificuldades físicas, psicológicas e de desenvolvimento do indivíduo, podendo ser especialmente efetiva em: distúrbios circulatórios (como pressão alta ou baixa), respiratórios (como asma), digestivos (como intestino preso), neurológicos (como esclerose múltipla), psicológicos (como estresse), depressões, insônia, enxaqueca, obesidade, deficiências imunológicas, entre outras patologias.

SAIBA MAIS…

PROFISSIONAIS QUE ATUAM NESTA ÁREA