Medicina Escolar +

As medidas médico-pedagógicas que surgem como consequência da atividade conjunta com o corpo docente, não visam apenas um resltado imediatamente perceptível, mas principalmente uma meta distante, que é a orientação do desnvolvimento, de tal maneira, que o ser humano tenha mais tarde, à sua disposição, todas as suas forças e potencialidades, nas diferentes fases de sua vida quando adulto.

A atuação do médico escolar, portanto, destina-se, em especial, à promoção das forças da Saúde, a partir do seu campo de atividades e funções na Escola. Situado no ambiente do ensino e sendo conselheiro dos professores, tem a sua disposição, inclusive, as medidas pedagógicas como possibilidades terapêuticas: eis porque a atividade médico-escolar representa uma forma especial de atividade médica, que a diferencia amplamente, em diversos aspectos, da atividade clínica formal.

Os cuidados com a corporalidade, em toda a sua complexidade, são condiçoes prévias para uma atividade pedagógica dotada de sentido, e como por esa via, o médico torna-se educador, auxiliar no campo pedagógico, assim como, em diferentes instâncias, o professor exerce atividades terapêuticas, na rotina escolar, pelo fato de que as intervenções pedagógicas exercerem forte influência sobre o Organismo, interferindo no curso do desenvolvimento.

Essa atividade médica, portanto, constitui-se em uma importante ação no sentido da integração Saúde -Educação, tão importante no mundo contemporaneo, em prol da Infância, convergindo com as recomendações da UNESCO para uma Educação no século XXI.

“Havia um tempo
Em que vivia intensamente na alma dos iniciados
O pensamento de que,
Por sua própria natureza, Toda pessoa é doente.
E a educação era vista como um processo de cura
Que trazia para a criança,
Simultaeamente ao seu amadurecimento,
Saúde para se tornar
Um verdadeiro Ser Humano”
Rudolf Steiner